7 principais erros cometidos na hora de escolher um EPI

O Equipamento de Proteção Individual (EPI) pode ser definido como um dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelos trabalhadores com a finalidade de conferir proteção contra riscos capazes de ameaçar sua segurança e saúde.

Dentro da Norma Regulamentadora de número 6 (NR 6), que trata justamente das normas e exigências sobre o uso de EPIs, existem diversas outras exigências para garantir a proteção ao trabalhador, tais como: fornecimento gratuito e obrigatório dos equipamentos por parte do empregador e realização de treinamentos para a utilização correta e conservação dos dispositivos de segurança.

A necessidade de uso dos EPIs varia de acordo com função exercida pelo colaborador e os riscos associados a ela. Confira alguns exemplos de função exercida pelos equipamentos de proteção e quais dispositivos são responsáveis por cumpri-la:

  • Proteção auditiva: protetores auriculares, abafadores de ruídos ou abafador para capacete;
  • Proteção do sistema respiratório: máscaras e filtros de proteção;
  • Proteção facial: óculos de proteção, viseiras e toucas de proteção;
  • Proteção da cabeça: capacetes de segurança;
  • Proteção das mãos e braços: luvas de proteção e mangotes;
  • Proteção das pernas e pés: calçados de segurança, botas e botinas;
  • Proteção para peito: avental de segurança;
  • Proteção para pele: protetor solar, repelente e gel antisséptico;
  • Proteção contra quedas: talabarte e cintos de segurança.

Entretanto, mesmo com todas essas medidas de proteção individual, muitas empresas e profissionais cometem erros na hora escolher os EPIs que serão utilizados em seus processos de trabalho. Para ajudá-los nesse processo, vale a pena conhecer os erros mais frequentes:

 

7 principais erros cometidos na hora de escolher um EPI

 

  • Não conhecer os riscos presentes no ambiente;
  • Não saber quais EPIs são adequadas aos diferentes riscos;
  • Permitir que um setor que não esteja relacionado com a segurança do trabalho se responsabilize pela compra dos EPIs;
  • Adquirir EPIs sem o Certificado de aprovação (CA);
  • Não analisar o material dos EPIs para conferir a sua proteção e resistência;
  • Não conhecer a função exata de cada EPI;
  • Não realizar a avaliação e os testes necessários no EPI;
  • Não buscar por EPIs de fácil manuseio.

Dica: para evitar esses erros, é fundamental conhecer todos os riscos presentes no ambiente e sempre ministrar treinamentos e cursos para que todos conheçam e saibam como escolher e usar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) corretamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *